Eba, vamos falar sobre investimentos! Quando a gente fala sobre isso, a primeira coisa que a gente precisa é ter clareza sobre o que é um investimento. Isso vem com conhecer a diferenciação entre Ativo e Passivo. Eu gosto muito da definição do escritor Robert Kiyosaki. Ele diz que ativo é tudo o que coloca dinheiro no seu bolso e passivo é tudo o que tira dinheiro do seu bolso. Os investimentos são um tipo de ativo.

De forma geral, investimento é qualquer desembolso que produza expectativa de ganho futuro. No caso de investimentos financeiros, você aplica dinheiro para receber mais dinheiro. Ou seja, em termos financeiros, investimento é aplicar o seu dinheiro de forma que ele gere rendimentos no futuro. Assim, investimento é multiplicar dinheiro. Então se você diz que está “investindo” na casa, quando você está com uma obra ou comprando novos móveis, a não ser que você venda a casa depois, se for apenas para morar, você está gastando ou até aumentando o gasto mensal dependendo da obra na casa e isso não é um investimento.

É uma ótima maneira de colocar o seu dinheiro para trabalhar para você. Quando você investe, o seu dinheiro passa a gerar ganhos, permitindo que você se beneficie do efeito dos juros compostos, resultando em uma renda extra! E isso sem que você precise trabalhar mais no seu emprego ou ganhar um aumento.

Quando falamos sobre investimentos, temos duas formas básicas de remuneração (a forma como você consegue ganhar dinheiro com seu investimento): renda fixa ou renda variável.

Ativos de renda fixa

Nos investimentos de renda fixa, você já consegue ver quanto vai receber antes mesmo de comprar, podendo avaliar se os resultados esperados são bons pra você. Isso porque a remuneração ou sua forma de cálculo é definida já no momento da aplicação. Ao investir seus recursos em um título de renda fixa, o investidor está emprestando uma quantia ao governo ou a uma empresa. Em troca, depois de um certo tempo, o investidor recebe o valor aplicado, mais juros. As condições do investimento são acertadas com o devedor (também chamado emissor do título ou tomador) no momento da aplicação.

Como a renda fixa é o tipo de investimento cuja remuneração ou sua forma de cálculo é conhecida no momento da aplicação, os investimentos de renda fixa são menos arriscados e mais recomendados para os investidores de perfil conservador.

Entretanto, os investimentos de renda fixa não são imunes a riscos. Existe a possibilidade do emissor do título não cumprir com a obrigação assumida, ou seja, dar um calote. Felizmente isso é algo muito raro de acontecer. Alguns investimentos como a poupança, o CDB, LCI e LCA contam com a cobertura do Fundo Garantidor de Crédito, o FGC, que garante que o investidor receba seu dinheiro mesmo no caso da falência do emissor.

Pré-fixados x pós-fixados

Os ativos de renda fixa podem ainda ser subclassificados em dois outros grupos:

Pré-Fixados: o investimento pré-fixado é aquele em que já se sabe de antemão a rentabilidade exata do título. Por exemplo, cada título de Tesouro Prefixado negociado no Tesouro Direto valerá R$1000 na data de vencimento. Então se você comprá-lo hoje por R$800, já saberá que ele irá valer R$1000 na data de vencimento.

Pós-Fixados: nos investimentos pós-fixados não se sabe a rentabilidade do título, apenas a forma de cálculo da rentabilidade. Os títulos pós-fixados estão atrelados a algum índice que pode ou não sofrer oscilações. Por exemplo, o Tesouro Selic também negociado no Tesouro Direto está atrelado à taxa Selic, a taxa básica de juros da economia. Ou seja, a rentabilidade desse título varia de acordo com a taxa Selic. Se a taxa Selic for de 5%, esse título rende 5%. Se a taxa Selic for de 10%, esse título rende 10%.

Ativos de renda variável

Já na renda variável, não há garantias de retorno do investimento. Esse é o tipo de investimento cuja remuneração ou sua forma de cálculo não é conhecida no momento da aplicação. Os investimentos de renda variável são, portanto, mais arriscados e recomendados para investidor de perfil dinâmico.

O investimento no mercado de ações é a forma mais conhecida de renda variável. Os preços das ações sofrem variações refletindo os interesses dos agentes do mercado. Na renda variável os juros podem ser negativos, ou seja, o investidor pode perder parte do capital inicialmente investido. Apesar de possuir maior risco, o investimento na renda variável permite retornos muito maiores do que os da renda fixa.

São investimentos dessa categoria: ações, derivativos, câmbio e fundos. E aí, já está conseguindo entender um pouco melhor esse mundo mágico de fazer dinheiro?


Quer começar a investir? Baixe o e-book gratuito sobre Tesouro Direto. Aceito amor e uma xícara de chá se você gostar. 🙂

O básico do básico sobre investimentos
Classificado como:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *