Investimento, rendimento, lucratividade, você já ouviu essas palavras antes? Se não, fique despreocupada que vou esclarecer tudo aqui. Principalmente, como calcular o retorno líquido do investimento. E você, como mulher independente, que ganha a própria grana deve entender tudo isso. Para que seus investimentos não sejam em vão e sua lucratividade permaneça intacta. Mas vamos aos termos básicos, certo?

O que é rentabilidade líquida

Quando falamos em rentabilidade, precisamos saber que o rendimento bruto do dinheiro investido não é o que você realmente ganha. Você tem que levar em conta algumas taxas de descontos, e o que sobra é o dinheiro líquido. Além disso, existem impostos que incidem sobre a sua aplicação, como é o caso do Imposto de Renda (IR) e também do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).

Para entender melhor essa situação, pense comigo: pagar taxas anuais de administração de apenas 0,5%, 1,5% ou 2,5% parece pouco, certo? Mas imagina isso descontado do seu investimento durante um longo tempo. No fim das contas, vai fazer diferença. Então, todas essas taxas e impostos vão incidir no retorno líquido do investimento que você fez.

Quais impostos podem influenciar minha rentabilidade?

Saiba que o IR pode pegar um grande pedaço do seu investimento, mas isso vai variar. Em fundos de ações a porcentagem cobrada, geralmente, é de 15% para o resgate da grana da sua aplicação. E em outros casos, o Imposto de Renda é cobrado de acordo com o tempo de investimento. Assim, quanto mais tempo dura sua aplicação, menos imposto você paga. Isso acontece com investimentos de renda fixa também, como o CDB de o Tesouro Direto. Existem ainda aplicações isentas de IR, como a Letra de Crédito do Agronegócio (LCA). Porém o seu rendimento também é muito pequeno.

E há ainda o IOF, que impacta bastante na lucratividade do seu investimento. Ele é cobrado para resgates realizados em um período inferior a 30 dias, de pode ser alto. Porém, se você faz uma aplicação de grana que passa dos trinta dias, não paga nada desse imposto.

Taxas que podem influenciar a rentabilidade

Bem, as taxas que vão influenciar no retorno líquido do investimento são várias. A primeira delas é a de administração. Ela é referente à remuneração das pessoas que administram o seu investimento. O percentual dela vai variar conforme o fundo de aplicação e quem gerencia.

Há também a taxa de custódia, que é cobrada sobre títulos públicos. Ela é fixa e cobra 0,30% sobre o investimento.

Tem também a taxa de performance, que é cobrada em fundo de ações, por exemplo. Ela aparece quando o investimento tem bons resultados.

Neste contexto, existe também a taxa de carregamento que é cobrada em planos de previdência privada. E que incide ou no momento da primeira contribuição ou na hora da retirada da aplicação.

Temos ainda a taxa de corretagem, que como o nome já diz, é cobrada pela corretora de investimento. Ela pode ser fixa ou não, dependendo da política da empresa escolhida.

E por fim, você lida com a taxa de emolumentos, que, sim, tem um nome estranho. Ela é cobrada pela Bovespa por executar algumas ações, como compra e venda, em contratos futuros.

 


Quer começar a investir? Baixe o e-book gratuito sobre Tesouro Direto. Aceito amor e uma xícara de chá se você gostar. 🙂

Você sabe o quanto seus investimentos estão rendendo?
Classificado como:    

Deixe uma resposta